Nunca se debateu e se difundiu tanto o vegetarianismo como hoje, mas onde isso vai nos levar?

Alguns dias atrás tive a oportunidade de conversar com Marly Winckler, a presidente da Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB), sobre a trajetória do movimento vegetariano no Brasil. Ela disse que antes da Internet era praticamente como se o Vegetarianismo não existisse no país.

Mas em 1995, enquanto a Internet se espreguiçava no berço, era criada a lista de discussão Veg-Brasil e em 1997 o Sítio Vegetariano, pioneiro website sobre o tema em língua portuguesa. Em 1999 também foi criada a Veg-Latina para congregar vegetarianos em língua espanhola.

Rapidamente as listas e o site foram ganhando participantes a ponto de alicerçarem a criação da SVB em 16 de agosto de 2003. A recém criada Sociedade nascia com a incumbência herculana de organizar o 36° Congresso Vegetariano Mundial. O Congresso aconteceu em Novembro de 2004, em Florianópolis e foi o primeiro realizado no continente Latino Americano. Neste Congresso houve também o lançamento do documentário A CARNE É FRACA, pelo Instituto Nina Rosa.

À medida que a internet se fortalece, fica mais rápida e mais popular, mais gente toma conhecimento da causa vegetariana. Hoje o Sítio Vegetariano recebe mais de 500 mil hits por mês em suas páginas. Em sites de relacionamento como o Orkut existem centenas de comunidades sobre Vegetarianismo e o assunto começa a ser freqüente também em comunidades neutras como na O que Está Havendo com o Mundo (541 mil membros) ou na Filosofia para Não Filósofos (52 mil membros) onde um tópico sobre alimentação sem carne passou de mil posts em menos de uma semana. Outra polêmica discussão envolvendo os animais pode ser vista na comunidade Abaixo o Preconceito (145 mil membros) onde os participantes debatem a inclusão dos animais na esfera moral humana.

Em sites de exibição de filmes como o Google Vídeo e o YouTube, a todo dia surgem vídeos caseiros, receitas, documentários, clipes, entrevistas e animações gráficas sobre vegetarianismo, veganismo e direitos dos animais. Às vezes são produções simples: um vegano mostrando a sua geladeira em 30 segundos, uma garota que prepara um vegburger em frente a sua a webcam, um rapaz do interior do Canadá que liga sua câmera para explicar porque é vegetariano e pede para todo mundo (literalmente) fazer o mesmo. Outras vezes são seqüências bem editadas ou mesmo trechos de filmes profissionais.

Os sites de vídeo preenchem uma lacuna deixada pela indústria cultural e universalizam o acesso a materiais antes restritos ou de difícil obtenção. Programas de compartilhamento de arquivos como o Emule também ajudam na divulgação de músicas, livros e filmes sobre Libertação Animal.

O documentário Terráqueos, de 2005, não foi lançado oficialmente no país, mas ativistas veganos traduziram e legendaram o filme que pode ser baixado em vários links e programas ou assistido no YouTube. No Brasil inteiro, defensores dos animais se organizam e fazem sessões de vídeos, palestras e shows com bandas cujos integrantes são veganos como a Verdurada. O Dia Internacional Vegano foi comemorado em várias cidades brasileiras neste 1° de novembro de 2006. Na avenida Paulista houve uma grande manifestação pela vida.

Ainda em 2006, Al Gore (aquele político de quem Bush roubou a eleição) lançou o filme Uma Verdade Inconveniente, contra o aquecimento global, que é causado em boa parte pelos gases emitidos pelos enormes rebanhos de gado da atualidade. Vivemos uma época limite para o futuro da Terra. Os danos ao planeta e a seus habitantes são causados em escala global. Felizmente a resistência vem se organizando também de forma mundial.

Foi-se o tempo em que Pitágoras ficava rouco numa ilhazinha grega falando para seus discípulos sobre os malefícios da carne. As novas gerações estão usando seus computadores e suas guitarras para dar mais visibilidade ao vegetarianismo. Se por um lado nunca o ser humano confinou, escravizou e matou tantos bichos, por outro nunca tanta gente nos mais diversos pontos do planeta esteve tão ativa na defesa dos animais.

A Revolução V está em curso e sua estrada nos leva à Libertação Animal!

 

Rodrigo Espinosa Cabral

rodrigoec@gmail.com

Deixe seuComentário