37.  A seleção natural e o Darwinismo estão operando sobre o mundo; isso  não significa que tentar superar essas forcas é inútil? 

Ao assumir que os conceitos de DA colidem de alguma maneira com os  mecanismos explicados pelo Darwinismo, a pessoa padece de fatalismo moral seletivo:  nosso senso de moralidade obviamente não é modelado por leis de seleção natural. Porque então, se sentir incapaz diante de alguns de  seus efeitos e não diante de outros? 

O machismo, a xenofobia e o desejo de guerra estão presentes em várias  sociedades humanas. Deveríamos cogitar que forcas misteriosas universais estão por trás disso, e que todas as tentativas de deter tais tendências 
deveriam ser abandonadas? Ou, mais diretamente, quando pessoas ficam doentes, deveríamos abandoná-las 
porque "a lei da sobrevivência" exige?  Não, nos não abandonamos as pessoas doentes; e não estamos preocupados em combater a seleção natural. 

Não há motivo para acreditar que as implicações praticas da filosofia dos  DA tornariam os humanos menos adaptáveis. Pelo contrário, e por razões explicadas em outras partes desta lista de perguntas e respostas, o respeito aos direitos dos animais resultaria em benefícios colaterais para os  humanos, tais como praticas de agriculturas auto-sustentáveis e melhor política de saúde e meio-ambiente. 
AECW 

O advento do Darwinismo levou a uma troca da idéia de organismos individuais  pela antiga idéia de espécies. 
O individualismo moral implicado pela filosofia de DA substitui a idéia de que organismos deveriam ser tratados de acordo com suas capacidades individuais pela (antiga) idéia de que é a espécie do animal que importa. Assim, o individualismo moral, na verdade, combina bem com a teoria  evolucionaria. 
DG 

Deixe seuComentário