Wachtmeister_1

A condessa Wachtmeister foi a acompanhante e colega de trabalho de Helena Petrovna Blavatsky (H.P.B.) de 1885 até a morte de Blavatsky em 1891. [1] Ela proferiu muitas palestras na década de 1890 e ajudou Annie Besant a formar lojas nos Estados Unidos.

Vida pessoal

Constance Georgina Louise Bourbel de Monpinçon nasceu em Florença, Itália, em 28 de março de 1838, filha de pai francês, o Marquês de Bourbel, e mãe inglesa, Constance Bulkley. [2] Constance perdeu os pais muito jovem e foi enviada para a Inglaterra para viver com sua tia, a Sra. Bulkley de Linden Hall, em Berkshire, onde foi educada e viveu até seu casamento em 1863 com seu primo, o conde Wachtmeister, então ministro sueco e norueguês na corte de St. James. Eles tiveram um filho, o conde Axel Raoul, que nasceu em 1865. A família mudou-se para Estocolmo, na Suécia, quando o conde foi nomeado Ministro das Relações Exteriores. O marido da condessa Wachtmeister morreu em 1871. [3] Ela permaneceu na Suécia por vários anos, passando o inverno em climas mais quentes por conta da saúde. Como a própria condessa tinha algumas habilidades psíquicas e testemunhou alguns fenômenos, ela se interessou por pesquisas psíquicas. [4] Ela começou as investigações sobre o espiritismo em 1879, mas após dois anos de pesquisas árduas, ela achou-o insatisfatório e perigoso. [5] Por fim, ela encontrou na Teosofia uma explicação para o fenômeno. [6] e ingressou na Sociedade Teosófica em 24 de novembro de 1880 em Lund, Suécia. [7] [8] Todos os seus problemas mais profundos da vida encontraram uma solução na Teosofia e a partir de então ela devotou toda a sua vida e fortuna ao serviço de Madame Blavatsky e seus Mestres. [9] Ela era uma teosofista devotada, uma vegetariana estrita e vivia uma “vida simples”. [10] [11] Ela morreu em 24 de setembro de 1910, em Los Angeles.

Vida com H. P. Blavatsky

Depois de ler a obra Isis Unveiled (Ísis sem Véu) de Blavatsky com admiração, bem como outros livros teosóficos, Constance Wachtmeister ingressou na Sociedade Teosófica em 24 de novembro de 1880. [12] Ela encontrou Helena Petrovna Blavatsky pela primeira vez no início de 1884, em Londres, na casa de A. P. Sinnett e sua esposa Patience. Pouco depois, ela recebeu uma carta de Blavatsky pedindo-lhe que a visitasse em Paris. Ela decidiu ir antes de voltar para casa, na Suécia, e nessa ocasião também se encontrou com o vice-presidente da Sociedade, William Quan Judge.

Constance Wachtmeister

Quando ela finalmente teve uma conversa particular com H.P.B., foi-lhe dito que antes de dois anos se passarem, ela dedicaria sua vida inteiramente à Teosofia, o que parecia impossível para Constance Wachtmeister naquela época. [13] Ela estava na Alemanha quando H.P.B. veio da Índia para lá em 1884 e estava pronta para servir. Entrou na casa de H.P.B. como um ajudante geral e respondendo às cartas de H.P.B. Ela se sentiu atraída pela indiferença de Blavatsky a elogios ou acusações, por seu senso de dever de não ser abalada por quaisquer considerações egoístas. Ela trabalhou fielmente para H.P.B. até sua morte. [14] A condessa serviu H.P.B. nos anos em que ela escreveu A Doutrina Secreta e no livro da própria Constance Wachtmeister Reminiscences of H.P.B. ela escreve sobre os fenômenos notáveis ​​que ela teve o privilégio de ver durante a preparação desta obra. [15] Durante esses anos, ela se tornou amiga íntima de H.P.B. e apoiou-a em tempos de grande angústia e ansiedade, tanto física como social. [16] A ela também se deve o crédito pelo sucesso do estabelecimento da Theosophical Publishing Society em Londres. A T.P.S. foi organizada para publicar A Doutrina Secreta e outros livros e revistas teosóficas. A condessa se envolveu seriamente e ajudou financeiramente este empreendimento. [17]

Vida depois da morte de H.P. Blavatsky

Após a morte de H.P.B., a Condessa Wachtmeister foi para a América e proferiu palestras em Chicago e outros lugares, e finalmente mudou-se com o filho para a Califórnia para ficar. [20] Seu coração e sua mente estavam cheios da verdade da Teosofia e ela promoveu a organização e os ensinamentos incansavelmente. Ela visitou todas as lojas daS. T. e trabalhou em várias lojas para compartilhar seu conhecimento. Seu tempo e energia estavam sempre à disposição da Causa e ela ajudava financeiramente sempre que podia. [21] [22] O presidente-fundador da Sociedade Teosófica, Henry S. Olcott, confiou cada vez mais no julgamento de Wachtmeister. Quando formou uma League of Theosophical Workers (Liga de Trabalhadores Teosóficos) em 1891, designou Wachtmeister como seu primeira presidente. No final do mesmo ano, ela viajou para a sede de Adyar, e em um Certificado de Apreciação Olcott a nomeou presidente da Women’s Education league (Liga de Educação Feminina), organizada para melhorar a educação das mulheres indianas.

Entre os anos de 1894 e 1900, ela cruzou os Estados Unidos de costa a costa muitas vezes dando palestras, organizando e conhecendo pessoas de todos os níveis sociais em sua maneira simples e prática. Quando em 1895 a Seção Americana ficou com apenas 14 filiais, a Condessa ofereceu seus serviços como organizadora e compartilhou seus conhecimentos e materiais às suas próprias custas, muitas vezes sob tremendas dificuldades, com persistência e espírito incrível. Em 1896 ela organizou e ajudou a construir 12 lojas, além de visitar as já existentes. Em alguns lugares, como em Chicago, por exemplo, onde dava palestras pagas, ela entregava os lucros à loja. Ela deu palestras em todas as cidades onde havia possibilidade de ouvintes. Ela falou também na Europa, Austrália e Índia, onde viajou com Annie Besant. [23] Acima está um certificado da condessa Wachtmeister, que expressa apreço por seu trabalho na S.T. de South Yarra (subúrbio de Melbourne), Seção Australásia. É datado de julho de 1895 e assinado pelos membros da loja.

Escritos

A condessa era uma excelente escritora em inglês e em francês e editava o Theosophical Siftings. Ela trabalhou com Bertram Keightley para organizar a Theosophical Publishing Society. A Union Index of Theosophical Periodicals lista 446 artigos de ou sobre Constance e Axel Wachtmeister.

Xilografia do periódico Idun, 1893

Panfleto sobre Annie Besant como sucessora de H.P.B.

Na época em que as lojas americanas se dividiram em duas facções em 1895, a condessa viu como seu dever circular um panfleto no qual compartilhava alguns fatos que guardara para si mesma até então. “H.P.B. havia me dito que seu sucessor seria uma mulher muito antes de Annie Besant se tornar membro da S.T. Ela havia feito várias tentativas com diferentes pessoas, na esperança de encontrar alguma, mas não teve sucesso, então ela ficou terrivelmente deprimida e desanimada, dizendo: “Não sobrará ninguém para tomar meu lugar quando eu for embora.” Foi só quando Annie Besant entrou para a Sociedade que suas esperanças voltaram, pois ela parecia sentir que nela encontrara uma sucessora”. A condessa continuou a dizer que, a princípio, ficou em guarda até ter certeza da integridade de Annie Besant. Somente quando percebeu sua vida de sacrifício diário e seu esforço contínuo para superar suas deficiências, ela se convenceu de seu caráter.

“Um dia eu vi Annie Besant envolta em uma nuvem de luz – a cor do Mestre. Ele estava parado ao lado dela com a mão sobre sua cabeça. Saí da sala, fui rapidamente ver H.P.B. e encontrando-a sozinha, contei-lhe o que havia testemunhado e perguntei se isso era um sinal de que o Mestre havia escolhido Annie Besant como sua sucessora. H.P.B. respondeu “Sim”, e que ela estava feliz por eu ter visto”.

Ela escreveu ainda que H.P.B. costumava usar um anel que era importante para ela e disse à condessa que iria para seu sucessor e que as propriedades anexadas a ele eram magnéticas. Quando descobri que o anel havia sido dado a Annie Besant por instruções expressas de H.P.B., eu soube que ela seria a sucessora. [24]

Artigos 

“The Countess Wachtmeister Defends Madame Blavatsky”, The Religio-Philosophical Journal (Chicago, Illinois) 5 de maio de 1888, p. 6. Disponível em Blavatsky Archives.

Livros

  • Practical Vegetarian Cookery (Cozinha Vegetariana Prática). São Francisco: Mercury Publishing Co.; Chicago: Theosophical Book Concern, 1897. Escrito com Kate Buffington Davis. Disponível em Internet Archive, Wellcome Library, Biblioboard e outros.
  • Spiritualism in the Light of Theosophy. (Espiritualismo à Luz da Teosofia). San Francisco: Mercury Publishing Co., 1897. Traduzido para o francês por Annie Besant.
  • Reminiscences of H. P. Blavatsky and the Secret Doctrine (Reminiscências de H. P. Blavatsky e a Doutrina Secreta). Londres: Theosophical Publishing Society; Nova York: The Path; Madras: Theosophical Society, 1893. Disponível em Hathitrust and Internet Archive. Traduzido para o espanhol, sueco e francês.
  • H. P. B. and The Present Crisis In The Theosophical Society (H. P. B. e a crise atual na Sociedade Teosófica). [Londres]: Impresso em privado, Women’s Printing Society, 1894-1895. Disponível no site Theosophists.org. Traduzido para o sueco, 1895.
  • Theosophy In Every-Day Life (Teosofia na vida diária). Sydney, 1895. “Compilado por um membro da Sociedade Teosófica, reimpresso de Theosophical Siftings, Vol. 3, com a gentil permissão da editora, a Condessa Wachtmeister.” Traduzido para o francês por Annie Besant.
  • Créons des génies (edição francesa), Wachtmeister foi autora e ilustradora, com Prefácio de Gabriel Trarieux d’Egmont. Trata-se de um livro em homenagem a Adyar, com ilustrações da Condessa da sede mundial da Sociedade Teosófica.

Axel Raoul Wachtmeister

O único filho da Condessa Constance, Alex Raoul Wachtmeister, nasceu em 2 de abril de 1865 em Londres. Ele era um viajante e compôs uma quantidade impressionante de músicas em todos os gêneros. Ele tinha apenas seis anos quando seu pai morreu e já quando era criança ele viajava com sua mãe quando ela estava envolvida em assuntos teosóficos, mas também ficava com parentes e amigos. Ele se tornou membro da Sociedade em 25 de fevereiro de 1889. [25] Após terminar seus estudos, ele viajou por todo o mundo em viagens de aventura repletas de adversidades. Ele escalou a Grande Pirâmide de Gizé, visitou a Caxemira e o Ceilão e socializou-se com escritores como Robert Louis Stevenson e Rudyard Kipling. Na companhia do autor sueco e vencedor do Prêmio Nobel, Verner von Heidenstam, ele procurou por vestígios deixados pelos soldados do rei Carlos XII da Suécia na Romênia e no sul da Rússia. Em 1896 ele estava na Grécia durante os primeiros Jogos Olímpicos modernos. Em 1898, ele editou o jornal teosófico Messenger em San Francisco e escreveu alguns artigos para esta e outras publicações teosóficas. Ele descreveu muitas de suas aventuras e atividades em seu livro de memórias escrito em inglês, Memories (Memórias) de 1936.

Axel Raoul

Axel Raoul Wachtmeister começou a compor bem cedo e sua peça para piano, Det är qväll, foi publicada em seu nono aniversário. Ele teve aulas de harmonia, aulas de piano, liderou uma pequena orquestra de alunos enquanto trabalhava em seus exames de estudante. Depois de se formar, ele continuou seus estudos em Copenhagen e Dresden, onde estudou contraponto e órgão. Mais tarde, ele também estudou orquestração e forma musical em Paris.

Axel Raoul Wachtmeister atuou como pianista e compositor até o fim de sua vida. Em seus anos mais maduros, ele viveu por muito tempo em várias pensões em Estocolmo, no entanto, seus últimos anos foram passados ​​em Tyringe (Hässleholm), onde também morreu. [26]

O Union Index of Theosophical Periodicals (Índice da União de Periódicos Teosóficos) lista 13 artigos de Axel Wachtmeister.

Recursos online

Wachtmeister, Condessa Constance Georgina Louise no Theosophy World

Notas

  1.  George E. Linton and Virginia Hanson, eds., Readers Guide to The Mahatma Letters to A. P. Sinnett (Adyar, Chennai, India: Theosophical Publishing House, 1972), 245.
  2.  Anonymous, “Mme. Blavatsky’s Companion Here: the Countess Wachtmeister Will Lecture on Theosophical Questions,” New York Times(September 20, 1894).
  3.  R.A. Burnett, Mary W. Burnett, “Death of Countess Wachtmeister.” The Theosophic Messenger 12.1 (Oct. 1910), 811-812.
  4.  Jacob Bonggren” Countess Constance Wachtmeister” The Theosophic Messenger, 12.3., Dec. 1910, p. 167-168.
  5.  Anonymous, “Faces of Friends” The Path 8.8 (Nov. 1893), 246-247.
  6.  Burnett and Burnett, 811-812.
  7.  Theosophical Society General Membership Register, 1875-1942 at http://tsmembers.org/. See book 1, entry 694 (website file: 1A/27).
  8.  Anonymous, “Faces of Friends.” The Path 8.8 (Nov. 1893), 246-247.
  9.  Burnett and Burnett, 811-812.
  10.  C.H. van der Linden. Countess Constance Wachtmeister.” The Theosophic Messenger, 12.2 (Nov. 1910), 74-76.
  11.  Anonymous, “Faces of Friends” The Path 8.8 (Nov. 1893), 246-247.
  12.  Theosophical Society General Membership Register, 1875-1942 at http://tsmembers.org/. See book 1, entry 694 (website file: 1A/27).
  13.  Constance Wachtmeister, Reminiscences of H. P. Blavatsky and “The Secret Doctrine.” London: Theosophical Publishing Society, 1893. Accessed at Internet Archive on 7/31/18.
  14.  Jacob Bonggren, 167-168.
  15.  Burnett and Burnett, 811-812.
  16.  Anonymous, “Faces of Friends” The Path 8.8 (Nov. 1893), 246-247.
  17.  Burnett and Burnett, 811-812.
  18.  Mary K. Neff, The “Brothers” of Madame Blavatsky (Adyar, Madras, India: Theosophical Publishing House, 1932), 82.
  19.  A Casebook of Encounters with the Theosophical Mahatmas Case 54, compiled and edited by Daniel H. Caldwell
  20.  Bonggren, 167-168.
  21.  van der Linden, 74-76.
  22.  Anonymous, “Faces of Friends” The Path 8.8 (Nov. 1893), 246-247.
  23.  Burnett and Burnett, 811-812.
  24.  A. K. Sibarama Shasti and Constance Wachtmeister “An Old Pamphlet of Countess Wachtmeister” The Theosophic Messenger 9.6 (Mar 1908), 120.
  25.  Theosophical Society General Membership Register, 1875-1942 at http://tsmembers.org/. See book 1, entry 6793 (website file: 1C/21).
  26.  Axel Raoul Wachtmeister (1865−1947). Levande Musikarv, Swedish Musical Heritage. See this website.

Fonte: Theosophy Wiki

Deixe seuComentário